"Beleza, cultura, esporte, lazer, moda, negócios, e muito mais..."
Revista Destaque News
Instagram da Revista Destaque

Bugalho deixou Prefeitura com R$ 16 milhões de dívidas
Na educação mesmo com à pandemia foram investidos 26,6% acima dos 25% legais

Publicado em 02/02/2021
compartilhe esta notícia:

Bugalho

 Apesar de encerrar o mandato com saldo positivo em caixa, o ex-prefeito Nelson Bugalho (PSDB) despediu-se da Prefeitura de Presidente Prudente deixando uma dívida a pagar de R$ 16.536.324,05, sendo que R$ 6.136.463,10 ainda dependem de recursos financeiros para sua quitação. 

É o que revelou audiência pública realizada nesta segunda-feira (1º), com a participação da secretária municipal de Finanças, Célia Molinari, e do contador-chefe, Cadmo Lupércio Garcia. Durante o evento online devido à pandemia, eles expuseram os dados relativos a todo o período de 2020.

Além do total de restos a pagar, citaram ainda um saldo de R$ 2.300.229,25 relativo a precatórios como "herança" ao governo de Ed Thomas (PSB).

Apenas R$ 3 milhões de recursos próprios

Diferentemente de quando assumiu em 2017, Bugalho entregou a Prefeitura com R$ 37.259.659,85 em caixa, sendo R$ 3.063.931,00 provenientes de recursos próprios e outros R$ 34.195.728,25 de recursos vinculados - repasses estadual e federal. 

Na audiência, foram expostas ainda algumas receitas que tiveram as principais variações entre os anos de 2019 e 2020. Entre elas, destaca-se o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), que teve aumento de 14,5%; e o Imposto Sobre Transferência de Bens e Imóveis (ITBI), que saltou 52%. Os dados vão na contramão do alegado exaustivamente pela gestão passada nos últimos meses.

Conforme o contador-chefe, o expressivo aumento do ITBI pode ser explicado pelo comportamento dos contribuintes que, em razão do baixo rendimento dos investimentos financeiros devido à queda na taxa de juros, passaram a investir em imóveis.

Apesar da crise provocada pela pandemia, alguns tributos importantes do município registraram pequena queda de arrecadação, tais como o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), que retraiu 2,2%, e o ISS-QN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza), com redução de 6,2%.

De forma geral, a receita do município encolheu 6,20% no comparativo anual, indo de R$ 550,4 milhões em 2019 para R$ 516,2 milhões no ano seguinte. Ao se considerar as receitas próprias e vinculadas, tem-se um acréscimo de 0,38% na receita, subindo de R$ 714,9 milhões para R$ 717,6 milhões.

O percentual investido em saúde e educação mais uma vez superou o mínimo exigido por lei. Na primeira área, foram aplicados 28,8%, quase o dobro em relação aos 15% previstos na Constituição Federal. 

Já em educação, mesmo com a suspensão das aulas presenciais devido à pandemia, foram investidos 26,6%, acima dos 25% legais. 


Fonte: Portal Prudentino - Foto: Arquivo da Secom

<< voltar