"Beleza, cultura, esporte, lazer, moda, negócios, e muito mais..."
Revista Destaque News
Instagram da Revista Destaque

Sabesp retira 383 toneladas de lixo por mês dos sistemas de esgoto de 20 cidades na região de Presidente Prudente

Publicado em 20/11/2018
compartilhe esta matéria:

Sabesp

 Em média, cada imóvel descarta 1,3 kg de lixo e areia mensalmente nas redes coletoras de esgoto, o que prejudica os sistemas da Sabesp e os próprios clientes


Um levantamento da Sabesp na região de Presidente Prudente aponta que são retiradas, em média, 383 toneladas de lixo e areia por mês dos sistemas de esgoto nas 20 cidades da região com o maior número de ligações à rede da companhia: Presidente Prudente, Assis, Tupã, Paraguaçu Paulista, Presidente Epitácio, Adamantina, Osvaldo Cruz, Pirapozinho, Álvares Machado, Teodoro Sampaio, Regente Feijó, Santo Anastácio, Lucélia, Bastos, Rosana, Tarumã, Quatá, Maracaí, Presidente Bernardes e Flórida Paulista. 

Em cada imóvel é descartado em média 1,3 kg de sujeira por mês. Só em Presidente Prudente e no município vizinho Álvares Machado, que juntos somam aproximadamente 240 mil habitantes, são 120 toneladas de lixo mensais. A contabilização é feita nas duas cidades em conjunto, pois a Estação de Tratamento de Esgoto Limoeiro, localizada em Presidente Prudente, é responsável pelo tratamento do esgoto coletado nas duas cidades. 

Entre os resíduos encontrados nas redes coletoras e nas estações elevatórias e de tratamento de esgoto estão peças de roupas, fraldas descartáveis, escovas, pastas de dentes e embalagens plásticas em geral. Todos estes materiais deveriam ser destinados às lixeiras e não a pias, ralos e vasos sanitário. Já o óleo de cozinha deve ser armazenado em garrafas plásticas e entregue em pontos de coleta para reciclagem. 

A areia – outro material encontrado em grande quantidade entre os resíduos – muitas vezes é carreada pela água da chuva para os sistemas da companhia. Isso se dá em decorrência das ligações irregulares de águas pluviais na rede coletora de esgoto. Por isso, é importante que as residências tenham saídas separadas: uma para a água da chuva, que segue para as galerias de águas pluviais, e outra para o esgoto, que necessita de tratamento antes de retornar ao meio ambiente. 

O material descartado no sistema de esgoto, além de causar obstrução e rompimento das redes coletoras, provoca transtornos aos próprios clientes, como o retorno do esgoto para dentro dos imóveis. Em média, a Sabesp realiza 546 desobstruções de rede por mês nas 20 cidades pesquisadas. Outro grande prejuízo ambiental causado pela prática é que, após o contato com o esgoto, materiais como papéis, plásticos e vidros já não podem mais ser reciclados. 

Fonte: Assessoria de Imprensa da Sabesp

<< voltar